São Paulo faz “Semana E” de vacinação contra Covid-19 nas escolas

Municípios poderão montar postos volantes de vacinação para as crianças de 5 a 11 anos entre 19 e 25 de fevereiro

Para aumentar a cobertura vacinal de crianças de 5 a 11 anos de idade, o governo de São Paulo vai promover uma semana de vacinação contra a covid-19 nas escolas do estado, entre os dias 19 e 25 de fevereiro. A iniciativa será realizada em escolas públicas e privadas, mas apenas nos municípios que aderirem à campanha. A ideia do governo estadual é que as crianças sejam vacinadas no horário escolar, mas as cidades serão as responsáveis por definir a melhor estratégia de imunização.

Durante esta semana os municípios poderão montar postos volantes de vacinação nas escolas municipais, estaduais e privadas, de acordo com a realidade local. A Secretaria de Estado da Educação irá disponibilizar as escolas neste período para que as equipes de vacinação dos municípios possam ampliar suas estratégias de vacinação.

Até este momento, o estado de São Paulo já vacinou 2,4 milhões de crianças nessa faixa etária, o que representa 60% dessa população. Para a coordenadora do Plano Estadual de Imunização de São Paulo, Regiane de Paula, é preciso que esse número cresça ainda mais.

“É fundamental que os municípios façam a busca ativa das crianças a serem vacinadas, assim ampliaremos a cobertura e a proteção de toda a população. As escolas sempre foram grandes aliadas da vacinação e mais uma vez serão um diferencial para alcançarmos a nossa meta de vacinação. Esperamos que um número grande de municípios possa aderir à iniciativa para a proteção das nossas crianças”, destacou Regiane de Paula.

Não haverá necessidade da presença dos pais ou responsáveis durante a vacinação nas escolas. Eles só precisam assinar um termo de concordância.

As vacinas que estão sendo aplicadas em crianças são seguras e foram aprovadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Elas impedem, principalmente, que as pessoas desenvolvam formas graves da doença.

Segundo o secretário estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn, um estudo feito no Hospital Emílio Ribas demonstrou que 86% das pessoas que morreram por causa da covid-19 não tinham tomado nenhuma dose da vacina ou completado o esquema vacinal.

Neste ano, os alunos da rede estadual de educação de São Paulo vão precisar apresentar o comprovante de vacinação contra a covid-19 ou um atestado médico que comprove a contraindicação para a imunização. Os responsáveis devem entregar o documento durante o segundo bimestre letivo. Segundo resolução da Secretaria de Educação, os alunos não vacinados não serão impedidos de frequentar as aulas. Entretanto, caso a documentação não seja apresentada no prazo máximo de 60 dias, a situação será relatada ao Conselho Tutelar, ao Ministério Público e às autoridades sanitárias “para providências que couber”, diz a resolução.

Um dos artigos do Estatuto da Criança e Adolescente (ECA) determina a obrigatoriedade da vacinação das crianças em casos recomendados pelas autoridades sanitárias.