Dados defasados sobre a população de Ubatuba geram déficit  de 4.440 vacinas

A informação é foi apresentada pela secretária de Saúde do município em explanação na Câmara

A secretária de Saúde de Ubatuba, Sheila Silveira Barbosa ocupou nesta terça feira (04 de maio)  a Tribuna Popular a convite da Mesa Diretora para detalhar como está o Programa de Imunização contra a Covid 19 no Município tendo informado que “comparando as doses recebidas pelo Estado, nossa base populacional atual e as doses que seriam necessárias para o atendimento da população alvo que ainda não foi vacinada, estamos com um déficit de 4.440 doses”. Até agora Ubatuba vacinou 18.252 pessoas com a primeira dose.

A secretária explicou que “o programa é nacional, a vacina é distribuída nacionalmente. O Ministério da Saúde manda para o Governo estadual e o Estado distribui para os Municípios. Por quê essa discrepância de números ? Porquê estão usando dados do último censo, realizado em 2010 e tabulado em 2012, apenas com projeção de crescimento demográfico”.

Ela expôs quadro com a base populacional atual onde estão relacionados todos os cadastros que o Município tem nas faixas etárias. “Ai podem ver a discrepância, enfatizou. Nós já enviamos mais de 5 ofícios, 3 direto para a Vigilância do Estado, depois para  Conselho dos Secretários Municipais de Saúde com essas informações de população e cadastro. Estamos aguardando uma resposta para fazermos uma distribuição dessas vacinas da melhor maneira, para podermos vacinar dos mais velhos pros mais novos, e tentar completar esses grupos prioritários.

“Então quando a pessoa fala, eu tenho 67 anos e ainda não fui vacinada, o que falamos é: infelizmente  tem que aguardar as doses”, prosseguiu a secretária. Segundo ela, “o município não tem governabilidade no momento para fazer o seguinte: pegar as doses que chegam para 60 anos e aplicar nos que tem 68, 69, 70 que ficaram sem. Porque a vacina vem por lotes, D1 (primeira dose) D2 (segunda dose) para população-alvo combinada. Para a faixa etária de 67 anos, recebemos 640 doses quando temos em Ubatuba 1.234 idosos nessa faixa, ou seja, há um déficit de mais de 500 doses. Por isso temos vivido um dia de cada vez, é uma briga diária trabalhar com a falta desse insumo”.

O vereador Adão Pereira (PSB) propôs que os vereadores façam um requerimento conjunto ao Estado interpelando sobre essa discrepância sobre dados populacionais. “ Sabemos que a vacina vem de cima para baixo, os dados populacionais não batem mesmo, mas acho que cada vereador se fizermos requerimento em 10 vereadores, e enviarmos para secretaria estadual mostrando que o Censo está muito desatualizado. A população de Ubatuba hoje não está mais nos 85 mil mas passamos de cem mil habitantes então não vai bater nunca essa conta. Então que façamos requerimento”.

Horários agendados

A secretária informou que Ubatuba está dentro do cronograma de vacinação do Plano São Paulo e nesse dia 06 de maio (quinta feira) “vamos receber novas doses  e começar a vacinações nas faixas etárias entre 60, 61 e 62 anos”. Os dados da Secretaria estadual da Saúde e os municipais foram apresentados em slides e estão disponíveis para a população.

Ela disse que está fazendo nessa semana também a segunda dose para idosos de 68 anos nas unidades que ainda não terminaram. A maioria das unidades já terminaram para essa faixa. Ainda estamos fazendo até dia cinco até termos estoque para essa faixa. A primeira dose de 60 a 62 anos que vamos começar a partir de 6 de maio.

Desde o finalzinho de janeiro quando começamos a campanha de vacinação, foram grandes ações no sentido de buscarmos a melhor alternativa. Ninguém nasceu sabendo fazer vacina de Covid, não esperávamos essa pandemia, é doença nova, momento novo, campanha nova, então foi um aprendizado um dia após o outro, um dia que dava certo, outro que não dava tão certo gerando muitas reclamações e questionamentos. Mas estamos ai vencendo a cada dia.

Ela disse que as reclamações estão diminuindo depois que a secretaria passou a vacinar com horários agendados. “Nessa semana foi legal porque agente avaliou reclamações, telefones na Secretaria, na Vigilância, na Ouvidoria tocaram bem menos do que estavam tocando porque hoje todas as equipes estão vacinando com horários agendados, conforme a disponibilidade de vacina, disponibilidade de profissionais, adequando a logística conforme a especificidade de cada área”.

Eu falo do Horto, onde já trabalhei. Não conhecemos toda a extensão do Horto então pensamos em vacinar todos os idosos nas residências. Começamos com as faixas etárias entre 80 e 90 anos assim, nas casas mas depois agendamos quando chegou 68, 67 marcamos no Posto o que deu liberdade para a equipe trabalhar e vermos como funciona em cada área. Como decidimos fazer dessa forma agora notamos que  diminuíram as reclamações e cada equipe está podendo gerenciar melhor e as doses não são muitas”.

Sheila enfatizou que “ não é vacina de pólio nem da gripe que vinha vacina pra todo mundo, trabalhávamos sábado e domingo, nem mesmo da febre amarela que fizemos campanha grande há dois anos atrás. Mas hoje não temos o principal produto que é o imuno- biológico. Por isso está muito difícil trabalhar”.

Refrigeração de vacinas

A secretária informou que o lote de 240 vacinas que foram afetadas por queda de energia não foi perdido. “Foi veiculado sobre as doses de vacinas perdidas. Elas não foram perdidas. Para nós da Saúde é rotina vacinas submetidas a variação de temperaturas e termos que encaminhar aos laboratórios produtores ou para a Central de Vigilância do Estado”.

“No dia 29 para o dia 30 teve a chuvarada e na região Sul algumas unidades ficaram sem energia no período noturno. Dai algumas doses foram pra análise e já retornaram, continuavam boas pra uso e já foram aplicadas. Foram 70 da Coronavac e 10 da Astrazeneca na Lagoinha e Praia Dura”, prosseguiu. “No Perequê Mirim foram 160 doses que ainda estão em análise. Por que a demora? Porque foi o maior número de doses submetidas a alteração e ainda estão em análise. O índice de ocorrência desse tipo é muito grande e o Centro de Vigilância estadual tem alta rotatividade , dai a espera”.

No dia 20 de abril aconteceu também na  Marafunda. Lá foram 65 doses (60 da Coronavac e 5 da Astrazeneca). Portanto  ainda não temos nenhum certificado de perda de vacina, apenas que estão em análise. Temos agora canal exclusivo com a Elektro, que ficou preocupadíssima porque circulou na mídia, viralizou…tem um 0800 direto só para unidades de saúde”.

A secretária informou que “há vários anos fizermos pedidos de câmaras de conservação de vacina e graças a Deus nesse início de ano chegaram pra nós. Com recurso do Estado, chegaram essas câmaras de conservação para todas as unidades, o que é um privilégio para qualquer município”.

UTIs lotadas

Sheila relatou que há hoje (04 de maio) 38 pessoas de Ubatuba  internados por Covid , sendo 16 na Santa Casa e 22 em outros Municipios. “Esse é o panorama hoje. A maioria dos hospitais, desde Santa Casa de Aparecida, A Santa Casa e o Hospital Regional de São José dos Campos, estão com 100 % ou mais de ocupação. O Hospital Regional de Caraguá está com 97,5 % de ocupação. A consolidação da nossa região aqui ficou em 100 % e isso é mais um motivo para que realmente se invista na prevenção e no cuidado”.

Para a secret6ária “esse vírus não vê cara, não vê cor, nem sexo nem raça. Ele está aqui circulante com certeza, então precisamos ter os cuidados necessários como lavar mãos, usar máscara, usar álcool em gel. Se tiver alguém doente em casa, essa pessoa precisa ficar isolada, separar banheiro, separar roupas que estiver usando, quarto onde vai dormir…São cuidados necessários mas o principal, é manter distanciamento de pelo menos 2 metros, por segurança. Que cada um fizer a sua parte, daqui a pouco acabou isso tudo. Sei que está rolando já há um ano e meio mas precisamos dessa união, cada um faz sua parte’.

Ela anunciou a realização entre os dias 10 e 14 de maio da 5ª Semana do Bebê, um programa que trabalha a primeiríssima infância, desde a  gestação aos 3 anos de vida. Para ela “!isso é trabalhar o futuro de uma Nação, futuro do País, de uma cidade’.