Codivap cobra governo de São Paulo por doses insuficientes de vacina contra Covid-19 enviadas às cidades da região

Prefeitos reclamam de falta de doses em frascos e número insuficiente de vacinas destinadas a RMVale

A Associação de Municípios do Vale do Paraíba, Litoral Norte e Serra da Mantiqueira (Codivap) cobrou do Governo do Estado em relação ao número insuficiente de doses de vacina contra o Covid-19 encaminhadas para as cidades da região.

A entidade encaminhou, no dia 22 de abril, um oficio ao Governo de São Paulo, onde ressalta que segue todas as orientações para aplicação das doses, entretanto as remessas encaminhadas não tem sido suficientes para a cobertura total da população prioritária.

O oficio da Codivap, assinado pelo presidente da organização, o prefeito de Jacareí Izaias Santana (PSDB), foi direcionado ao governador João Doria (PSDB), à coordenadora do Plano Estadual de Imunização, Regiane Cardoso de Paula e, aos secretários de Saúde, Jean Gorinchteyn, de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi e Infraestrutura e Meio Ambiente, Marcos Penido.

O documento afirma que as referencias de cálculo da quantidade de doses de imunizantes encaminhadas aos municípios não corresponde a realidade atual das cidades da região, pois além do crescimento populacional normal e esperado, tem ocorrido uma elevada procura pela vacinação contra Covid-19, diferente do que ocorre nas campanhas de vacinação contra gripe, cuja procura é bastante menor.

A Codivap apontou que as equipes de saúde dos municípios têm constatado uma grande discrepância entre o quantitativo populacional que serve de base para o cálculo da quantidade de primeiras doses enviadas e, posteriormente, o envio também para as segundas doses, e as populações reais dos municípios.

O oficio também ressalta que em municípios do Litoral Norte, assim como os de menor população, contam com um acréscimo populacional, em sua maioria, de idosos que possuem casas de veraneio, e que optam por deixar os grandes centros para passar o período de isolamento social nas cidades da região.

A associação também destacou a ocorrência de frascos de vacina Coronavac, do Instituto Butantã, com quantidade de doses inferior ao informado no frasco. Alguns frascos chegam contendo rendimento entre oito e nove doses, quando deveriam conter dez doses. Os frascos com número inferior de doses têm ocorrido inclusive, nos lotes destinados às segundas doses, acentuando ainda mais a falta de doses necessárias para abrangência da cobertura total dos grupos prioritários.

A Codivap reclama que a insuficiência de doses para cobertura do público alvo, provoca grande revolta e insatisfação nas pessoas que não receberam o imunizante, indignação na população local e pressão da imprensa, criando um cenário de grande tensão e desgaste para os gestores municipais.

Para suprir a demanda

A Codivap solicita que o governo de São Paulo encaminhe para a região, a quantidade de doses necessárias para para possibilitar aos municípios, a continuidade nas campanhas de vacinação das faixas etárias e prosseguir com a imunização nas etapas seguintes.

A associação apresentou um levantamento que foi entregue ao governo estadual, com número real de doses necessárias para para o suprimento da demanda reprimida de imunizações em cada cidade da RMVale.

Necessidade de primeira dose:

Necessidade de segunda dose: