Prefeitura de São Sebastião realizou três dias e testagem em massa e atendeu 1.880, com 313 casos positivos

O índice de positivados durante a ação atingiu 16,6%

Durante três dias de testagem em massa, realizada pela Prefeitura de São Sebastião, através da Secretaria de Saúde (SESAU), em parceira com uma escola técnica e um faculdade local, realizaram 1.880 testes rápidos, onde foram detectadas 313 pessoas com Covid-19, que equivale a 16,6%.

De acorda com a Prefeitura, os positivados foram encaminhados a uma equipe médica, onde receberam orientação quanto à quarentena domiciliar e, em caso necessário, sendo medicados conforme o critério clínico.

Os positivados são devidamente encaminhados a uma equipe médica, recebem orientação quanto à quarentena domiciliar e, se necessário, são medicados, de acordo com critério clínico.

A testagem ocorreu na Rua Prefeito Mansueto Pierotti, ao lado da agência da Caixa Econômica Federal (CEF), na Região Central. O local escolhido é próximo onde foram instaladas tendas para proteção das pessoas que procuram os serviços da CEF, ocasionando grandes filas e aglomerações.

A Prefeitura publicou em seu site, que os testes foram realizado seguindo os protocolos de higienização, como o uso obrigatório de máscara e álcool em gel.

Teste Rápido segundo o Ministério da Saúde

O teste de de imunocromatografia de fluxo lateral, denominação técnica do chamado Teste Rápido, recebe este nome porque seu resultado ocorre através da alteração de cor do sangue coletado ao entrar em contrato com o reagem. Conforme o Ministério da Saúde: “o teste rápido SARSCoV-2 é utilizado para detecção anticorpos IgM e IgG contra o coronavírus tem por base a metodologia de cromatografia de fluxo lateral”.

Segundo o Ministério da Saúde, “as amostras que podem ser utilizadas são plasma, soro ou sangue total (por coleta venosa ou punção digital”. O testagem rápida ocorre através de uma pequena perfuração no dedo, onde se retira a amostra que é colocada no kit, e, resulta em uma alteração visual.

O Ministério da Saúde considera que o teste rápido “deve ser usado como uma ferramenta para auxílio no diagnóstico da doença por infecção por coronavírus”, e ressalta que “são testes qualitativos para triagem e auxílio diagnóstico”.

“Os resultados negativos não excluem a infecção por e os resultados positivos não podem ser usados como evidências absolutas” de Covid-19, afirma o Ministério em seu site oficial. “O resultado do teste rápido deve ser interpretado por um médico com auxílio dos dados clínicos e outros exames laboratoriais confirmatórios”, prossegue o órgão.

Da Redação

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.