Justiça determina o fechamento de agencia bancária por falta de ar refrigerado

Calor excessivo dentro da agência não ventilada contribuiria para a proliferação da Covid-19 e outras doenças

O calor excessivo provocado pela ausência de ar refrigerado e a possibilidade de propagação de Covid-19 e outras doenças respiratórias levou a 6ª Vara do Trabalho de Porto Velho a determinar o fechamento de uma agência do Banco Bradesco, que teve que suspender imediatamente as atividades do estabelecimento.

A medida ocorreu após denúncias do Sindicato dos Bancários e Trabalhadores do Ramo Financeiro de Rondônia (Seeb-RO), que ajuizou ação em que alega que a agência vinha funcionando sem sistema de climatização adequado, e que os funcionários, expostos em condições insalubres, eram obrigado a trabalhar utilizando ventiladores e refrigeradores portáteis particulares, que não promoviam a climatização adequada para manutenção da saúde.

A decisão liminar foi concedida na terça-feira (02) pela juíza do Trabalho Titular da 6ª Vara do Trabalho de Porto Velho, Cândida Maria Ferreira Xavier, que acolheu integralmente os pedidos da entidade sindical.

Além da interrupção das atividades até regularização do meio ambiente de trabalho, a juíza determinou ao Banco que alocasse temporariamente os trabalhadores em outras agências ou que fossem designados para trabalhar em regime home office. O reclamado teve o prazo de 24 horas para cumprir as determinações, sob pena de multa diária no valor de R$ 30 mil, limitada a cinco dias.

A magistrada ressaltou na liminar que o caso pedia uma medida rápida e enérgica para se evitar que funcionários adoeçam, já que o calor e as condições insalubres colaboravam para uma proliferação ainda maior do novo coronavírus.

Ressalto que, mesmo a atividade bancária sendo considerada como essencial não é possível que continue aberta ao público com uma situação bizarra, em relação à falta de ar condicionado, algo que é de custo tão baixo, considerando o enorme lucro que o Banco Bradesco consegue todos os dias”, evidenciou a juíza em sua decisão.

Sistema de saúde de Rondônia em colapso

Os sistema de saúde do estado de Rondônia entrou em colapso, com todos os 291 leitos de UTI ocupados e sem possibilidade de ampliação no número de vagas. Com a ocupação de UTIs em 100% há mais de um mês, pacientes estão sendo transferidos para outras unidades da federação.

Rondônia conta atualmente com 155.471 casos confirmados, sendo 15.679 casos ativos e 760 internações. O estado tem até o momento 3.040 óbitos provocados pela Covid-19.

Da Redação, com informações do TRT-RO e da SESAU-RO

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.